"...estenderei a minha mão contra os habitantes desta terra, diz o SENHOR. Porque desde o menor deles até ao maior, cada um se dá à avareza; e desde o profeta até ao sacerdote, cada um usa de falsidade e curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz. Porventura envergonham-se de cometer abominação? Pelo contrário, de maneira nenhuma se envergonham, nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se..." (Jeremias 6.12 a 15)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Lobos são Sempre Carismáticos!

 Por: Alexandre R. de Souza
Precisamos do colírio para enxergar melhor sempre (Ap 3:18).
Acho que é profética a história criada a tanto tempo atrás para ilustrar a astúcia de um lobo que se disfarça de vovozinha para comer o que uma menininha levava numa cesta e a própria menina!
Assim agem os "Ministros de Satanás" (2 Co 11:13 a 15).

Festas, arrepios, choros, pulos, alegria barata e momentânea... se acabei de descrever a liturgia de sua igreja..., cuidado irmão! Se o líder não se ocupa com outra coisa além de trazer uma mensagem emotiva ou de autopromoção..., cuidado irmão!
Cuidado pois você pode estar diante do lobo vestido de vovozinha! Inocente, dócil, amável... mas pronto para devorar você!
Deixemos o conto de lado e vamos à realidade!
Nunca aquele que quer arrebatar o povo de Deus ou confrontar os líderes do SENHOR se mostrará como aliado de Satanás.
Todos aparentemente têm  uma ótima revindicação; algo que parece justo ou legítimo. Lendo o livro do Pr. Daivinson Gomes pude encontrar declarações como as seguintes:
“Satanás venceu Jesus na cruz” – Kenneth Copeland

“Você não está olhando para Morris Cerullo – você está olhando para Deus, está olhando para Jesus” – Morris Cerullo

“Nunca, jamais, em tempo algum, vá ao Senhor e diga: ‘se for da tua vontade ...’ Não permita que essas palavras destruidoras da fé saiam de sua boca” – Benny Hinn

“Deus precisa receber permissão para trabalhar neste reino terrestre em favor do homem ... Sim! Você está no controle das coisas! Assim, se o homem detém o controle, quem deixou de exercê-lo? Deus” –
Frederick K. C. Price

“O homem foi criado em termos de igualdade com Deus, e podia permanecer na presença dele sem qualquer consciência de inferioridade” – Kenneth E. Hagin
Na página 25 no livro "Voltando para a Bíblia"

A poucos dias atrás, ouvi da boca de um irmão de meu ministério que "Deus fala, mas o profeta as vezes não escuta direito e entrega uma profecia incorreta". E este é um daqueles irmãos que sempre tem um recadinho do SENHOR  para a Igreja. É um daqueles que usam o púlpito para destilarem suas próprias doutrinas e não a Escritura!
É lamentável, mas assim vai sendo estendido o tapete vermelho para todo tipo de engano nos arraiais do SENHOR.
Qual é afinal a dificuldade de se ater apenas, e APENAS à Palavra???????
Novidades? Não quero nenhuma! O que preciso é a "velha" e boa Revelação dos Escritos da Bíblia! O que precisamos é voltar à Bíblia e só à Ela!
O que estamos a tratar aqui até agora são apenas os sintomas! Paulo escreveu: "Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. "(Ef 4:14)
Vejam... estes são apenas sintomas! Paulo diz antes destes versos quais são os fatores que podem "vacinar" contra a doença da apostasia e do afastamento da VERDADE!
Disse ele: "E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, "(Ef 4:11 a 13)
Ou seja, os cinco ministérios são os alicerces da vida espiritual saudável da igreja. Mas hoje vemos falsos apóstolos, unidos a falsos profetas tendo suas heresias sendo proclamadas por falsos evangelistas, para agregar mais ovelhas para falsos pastores que governam unidos à falsos mestres.
Creio com toda sinceridade que o reavivamento da Igreja (a volta à Palavra) começará com verdadeiros mestres ensinando a PALAVRA e ela apenas; sem números nem cifrões, sem fogos de artifício, sem revelações espirituais extra-bíblicas e com coragem suficiente para denunciar TUDO o que vai além ou está aquém da PALAVRA.
Precisamos do caçador de lobos, que impede a menina de ser devorada, e salva a velhinha e na verdade ele é o personagem menos notório desta história mas sem ele o final será outro.
Mestres na Palavra acudam a Igreja... acudam o Povo do SENHOR!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Trabalho do IBBC: As Causas da Divisão do Reino de Israel

Início da Divisão - A Queda de Salomão

Duas vezes durante o reinado de Salomão o Senhor lhe havia aparecido com palavras de aprovação e conselho - na visão noturna em Gibeom, quando a promessa de sabedoria, riquezas e honra foi acompanhada pela admoestação para que permanecesse humilde e obediente; e após a dedicação do templo, quando uma vez mais o Senhor o exortou à fidelidade. Claras foram as admoestações, maravilhosas as promessas, dadas a Salomão; não obstante, daquele que pelas circunstâncias, no caráter e na vida parecia abundantemente capacitado para aceitar o encargo e corresponder à expectação do Céu, está registrado: "Não guardou o que o Senhor lhe ordenara". "Desviara seu coração do Senhor Deus de Israel, o qual duas vezes lhe aparecera. E acerca desta matéria lhe tinha dado ordem que não andasse em seguimento de outros deuses". I Reis 11:9 e 10. E tão completa foi sua apostasia, seu coração tão endurecido na transgressão, que seu caso parecia quase sem esperança.

Da alegria da divina comunhão, Salomão voltou-se em busca da satisfação nos prazeres do sentido. Desta experiência ele diz: "Fiz para mim obras magníficas: edifiquei para mim casas, plantei para mim vinhas. Fiz para mim hortas e jardins, ... Adquiri servos e servas, ...  amontoei também para mim prata e ouro, e jóias de reis e das províncias; provi-me de cantores e cantoras, e das delícias dos filhos dos homens, e de instrumentos de música de toda a sorte. Engrandeci-me, e aumentei mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém. ...
"E tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o meu coração de alegria alguma; mas o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho. ... E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e que proveito nenhum havia debaixo do Sol.

"Então passei à contemplação da sabedoria, dos desvarios, e da doidice; porque, que fará o homem que seguir ao rei? O mesmo que outros já fizeram. ... Pelo que aborreci esta vida. ... Também eu aborreci todo o meu trabalho, em que trabalhei debaixo do Sol." Ecl. 2:4-18.
Por sua própria amarga experiência, Salomão conheceu o vazio de uma vida que busca nas coisas terrenas seu mais elevado bem. Ele construiu altares aos deuses pagãos, apenas para verificar quão vã é sua promessa de repouso para o espírito. Pensamentos sombrios e importunos perturbavam-no dia e noite. Não havia mais para ele qualquer alegria de vida ou paz de mente, e o futuro se mostrava enegrecido com desespero.

Contudo, o Senhor não o desamparou. Por mensagens de reprovação e severos juízos, Ele procurou despertar o rei para a constatação de sua conduta pecaminosa. Removeu dele Seu cuidado protetor, e permitiu que adversários molestassem e enfraquecessem o reino. "Levantou, pois, o Senhor a Salomão um adversário, a Hadade, o edomeu. ... Também Deus lhe levantou outro adversário, a Rezom, ... capitão dum esquadrão, ...  porque detestava a Israel, e reinava sobre a Síria. Até Jeroboão, ...  servo de Salomão, ...  varão valente", "levantou a sua mão contra o rei." I Reis 11:14-28.
Por fim o Senhor, por intermédio de um profeta, enviou a Salomão a assustadora mensagem: "Pois que houve isto em ti, que não guardaste o Meu concerto e os Meus estatutos que te mandei, certamente rasgarei de ti este reino, e o darei a teu servo. Todavia nos teus dias não o farei, por amor de Davi teu pai; da mão de teu filho o rasgarei." I Reis 11:11 e 12.
Despertado como de um sonho por esta sentença de juízo pronunciada contra si e sua casa, com a consciência ativada, Salomão começou a ver sua estultícia em sua verdadeira luz. Afligido em espírito, com a mente e corpo debilitados, ele se voltou fatigado e sedento das rotas cisternas terrenas, para beber uma vez mais da Fonte da vida. Para ele afinal a disciplina do sofrimento tinha realizado sua obra.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Porque as Igrejas Presbiterianas Pelo Mundo estão Aceitando Pastores Homossexuais?

Extraído de: http://blogdoseleitos.blogspot.com

Duas denominações presbiterianas acabam de decidir no plenário de suas Assembleias Gerais que homossexuais praticantes podem ser pastores nas igrejas delas.

A primeira foi a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (PCUSA). Veja a notícia aqui:

Igreja Presbiteriana dos EUA permite ministros homossexuais

E agora, foi a vez da Igreja Presbiteriana da Escócia. Veja a notícia aqui:Church of Scotland votes on gay ministers

Estas resoluções foram tomadas depois de muitos anos de conflitos internos e discussões teológicas. E em ambas as igrejas, o voto passou com uma maioria apertada. Os pastores, presbíteros, diáconos e membros destas denominações que discordam da decisão, e que por muito tempo lutaram para que ela não fosse aprovada, enfrentam agora o dilema de saber qual é a coisa correta a fazer. Com certeza, muitos sairão para outras denominações ou para formar novas igrejas; outros, ainda, permanecerão na esperança de que um dia as coisas mudem.

A pergunta que não quer calar é como igrejas de origem reformada, que um dia aceitaram as confissões de fé históricas e adotaram os lemas da Reforma, especialmente o Sola Scriptura, chegaram a este ponto? Em minha opinião, o que está acontecendo hoje é o resultado lógico e final da conjunção de três fatores: a teologia liberal que foi aceita por estas igrejas, a consequente rejeição da autoridade infalível da Bíblia e a adoção dos rumos da sociedade moderna como norma.

O processo pelo qual estas denominações passaram, uma na Europa e outra nos Estados Unidos, é similar. As etapas vencidas são as mesmas. Primeiro, em algum momento de sua história, em meados dos séculos XIX, o método crítico de interpretação da Bíblia passou a ser o método dominante nos seminários e universidades teológicas destas denominações. Boa parte dos pastores formados nestas instituições saíram delas convencidos que a Bíblia contém erros de toda sorte e que reflete, em tudo, o vezo cultural de sua época. Para eles, os relatos bíblicos dos milagres são um reflexo da fé dos judeus e dos primeiros cristãos expresso em linguagem mitológica e lendária (veja aqui um post sobre liberalismo teológico).

Segundo, uma vez que a Bíblia não poderia ser mais considerada como o referencial absoluto em matérias de fé e prática, devido ao seu condicionamento às culturas orientais antigas e patriarcais, estas denominações aos poucos foram adotando as mudanças culturais e a direção da sociedade moderna como referência para suas práticas.

Terceiro, com a erosão da autoridade bíblica e o estabelecimento da cultura moderna como referencial, não tardou para que estas igrejas rejeitassem o ensinamento bíblico de que somente homens cristãos qualificados deveriam exercer a liderança nas igrejas e passaram a ordenar mulheres como pastoras e presbíteras. As passagens bíblicas que impõem restrições ao exercício da autoridade por parte da mulher nas igrejas foram consideradas como sendo a visão patriarcal dos autores bíblicos, e que não cabia mais na sociedade moderna (veja aqui uma matéria deste blog sobre ordenação feminina).

O passo seguinte foi usar o mesmo argumento quanto ao homossexualismo: as passagens bíblicas que tratam as relações homossexuais como desvio do padrão de Deus e, portanto, pecado, foram igualmente rejeitadas como sendo fruto do pensamento retrógrado, machista e preconceituoso dos autores da Bíblia, seguindo a tendência das culturas em que viviam. A igreja cristã moderna, de acordo com este pensamento, vive num novo tempo, onde o homossexualismo é comum e aceito pelas sociedades, inclusive com a aprovação do Estado para a união homossexual e benefícios decorrentes dela.

E o resultado não poderia ser outro. O único obstáculo para que uma igreja que se diz cristã aceite o homossexualismo como uma prática normal é o conceito de que a Bíblia é a Palavra de Deus, inerrante e infalível única regra de fé e prática para o povo de Deus. Uma vez que esta barreira foi derrubada - e a marreta usada para isto sempre é o método crítico e o liberalismo teológico - não há realmente mais limites que sejam defensáveis. Pois mesmo os argumentos não teológicos, como a não procriação em uniões homossexuais e a anormalidade anatômica e fisiológica da sodomia, acabam se mostrando ineficazes diante do relativismo da cultura moderna. E as igrejas que abandonaram a autoridade infalível da Palavra de Deus acabam capitulando aos argumentos culturais.

Nem todos os que adotam o método crítico são favoráveis ao homossexualismo. E nem todos liberais são a favor da homossexualidade. Mas espero que as decisões destas duas igrejas, que têm em comum a adoção deste método e a aceitação do liberalismo teológico, sirvam como reflexão para os que se sentem encantados com o apelo ao academicismo e intelectualismo da hermenêutica e da teologia liberais.

Veja o artigo relacionado:

Gays e Lésbicas praticantes agora podem ser ministros do Evangelho na Igrejas Luterana Americana

Augustus Nicodemus Lopes
Em: O Tempora! O Mores!

Extraído do blog: http://blogdoseleitos.blogspot.com/2011/05/por-que-igrejas-presbiterianas-pelo.html#ixzz1P9u47PG5

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Seu Nome é Jesus

canvasSeu Nome é Jesus!

Não perca esta oportunidade de presentear quem você ama com um presente simplesmente Lindo!

Neste livro, considerado como uma obra prima, cheia de imagens e mensagens avivadoras, Jesus é mostrado como alguém assombrosamente próximo e palpável.

Não perca esta oportunidade, compre agora e solicite este “presente”!

Por R$ 25,15

Assista a apresentação desta obra maravilhosa!

Nada de Subliminar… é Sem Máscara Mesmo!!!!

Por Alexandre R. de Souza.

Recebi a alguns dias um e-mail de um amigo e fiquei surpreso ao ver seu conteúdo.

Na verdade este e-mail pareceu-me mais com uma advertência do que qualquer outra coisa.

Coloco abaixo na íntegra seu conteúdo:

Insensato Coração, Música tema gera polêmica entre evangélicos

Uma nova polêmica tem circulado entre evangélicos país a fora. Na verdade tudo por causa da Novela das 8… A Rede Globo de Televisão tem colocado como tema principal em sua novela das 8h a música ‘Simpatia Com o Diabo’ (Sympathy for the Devil).

  • Logo abaixo você confere a letra, bem como a tradução desta música para que sirva como um alerta para todos. Centenas de pessoas já se manifestaram contrariamente, o que ainda não foi emitido nem um tipo comunicado aos devidos afins.

Você mesmo pode ver a tradução e tirar suas próprias conclusões sobre este assunto, pois é por uma mensagem como esta, escondida atrás de uma melodia bonita, que os nossos filhos poderão ser atraídos.
Simpatia Com o Diabo
Please allow me to introduce myself
I’m a man of wealth and taste
I’ve been around for a long, long year
Stole many a man’s soul and faith
Por gentileza me permita me apresentar
Sou um homem de fortuna e requinte
Estou por aí já faz alguns anos
Roubei as almas e a fé de muitos homens
And I was ’round when Jesus Christ
Had his moment of doubt and pain
Made damn sure that Pilate
Washed his hands and sealed his fate
E eu estava por perto quando Jesus Cristo
Teve seu momento de duvida e dor
Fiz muita questão que Pilatos
Lavasse suas mãos e selasse seu destino
Pleased to meet you
Hope you guess my name
But what’s puzzling you
Is the nature of my game
Um prazer em lhe conhecer
Espero que adivinhem o meu nome
Mas o que lhes intriga
É a natureza do meu jogo
I stuck around St. Petersberg
When I saw it was a time for a change
Killed the Czar and his ministers
Anastasia screamed in vain
Eu aguardei em São Petersburgo
Quando percebi que era hora para mudanças
Matei o Czar e seus ministros
Anastácia gritou em vão
I rode a tank
Held a general’s rank
When the Blitzkrieg raged
And the bodies stank
Pilotei um tanque
Usei a patente de general
Quando as blitzkrieg urgiam
E os corpos fediam
Pleased to meet you
Hope you guess my name, oh yeah
What’s puzzling you
Is the nature of my game, oh yeah
Um prazer em lhe conhecer
Espero que adivinhem o meu nome
Mas o que lhes intrigam
É a natureza do meu jogo
I watched with glee
While your kings and queens
Fought for ten decades
For the Gods they made
Assisti com orgulho
Enquanto seus reis e rainhas
Lutaram por dez décadas
Pelos deuses que eles criaram
I shouted out
‘Who killed the Kennedys?’
When after all
It was you and me
Gritei bem alto
‘Quem matou os Kennedys?’
Quando afinal de contas
Foi apenas você e eu
Let me please introduce myself
I’m a man of wealth and taste
And I laid traps for troubadors
Who get killed before they reached Bombay
Permita-me por gentileza me apresentar
Sou um homem de fortuna e requinte
Deixei armadilhas para ministreis
Que morreram antes de chegarem a Bombaim
Pleased to meet you
Hope you guessed! my name, oh yeah
But what’s puzzling you
Is the nature of my game
Um prazer em lhe conhecer
Espero que adivinhem o meu nome, oh yeah
Mas o que lhes intriga
É a natureza do meu jogo
Pleased to meet you
Hope you guessed my name, oh yeah
But what’s confusing you
Is just the nature of my game
Um prazer em lhe conhecer
Espero que adivinhem o meu nome
Mas o que lhes confunde
É a natureza do meu jogo
Just as every cop is a criminal
And all the sinners Saints
As heads is tails
Just call me Lucifer
‘Cause I’m in need of some restraint
Assim como todo cana é um criminoso
E todos os pecadores Santos
Como cara é coroa
Basta me chamar de Lúcifer
Pois estou precisando de alguma restrição
So if you meet me
Have some courtesy
Have some sympathy, and some taste
Use all your well-learned politesse
Or I’ll lay your soul to waste, um yeah
Então se me conhecer
Tenha alguma delicadeza
Tenha a simpatia, e algum requinte
Use toda sua polidez bem aprendida
Ou deitarei sua alma para apodrecer
Pleased to meet you
Hope you guessed my name, um yeah
But what’s puzzling you
Is the nature of my game, um! baby, get down
Prazer em lhe conhecer
Espero que adivinhem o meu nome, oh yeah
Mas o que lhes intrigam
É a natureza do meu jogo
Woo, who
Oh yeah, get on down
Oh yeah
Oh yeah!
Tell me baby, what’s my name
Tell me honey, baby guess my name
Tell me baby, what’s my name
I tell you one time, you’re to blame
Diga-me baby, qual é o meu nome
Diga-me doçura, qual é o meu nome
Diga-me baby, qual é o meu nome
Lhe digo uma vez, é sua culpa
Ooo, who, who
Ooo, who, who
Oh, yeah
Diga-me baby, qual é o meu nome
Diga-me doçura, qual é o meu nome
Diga-me baby, qual é o meu nome
Lhe digo uma vez, é sua culpa
Ooo, who, who
Ooo, who, who
Oh, yeah
Até Breve!

Como já foi sugerido por meu amigo… tire suas conclusões ok?

segunda-feira, 7 de março de 2011

Willian Tyndale - A Bíblia em Inglês a Preço de Sangue


Você que conhece um pouco das Escrituras ou de história Geral, sem dúvida já ouviu o nome Martinho Lutero não é mesmo? Talvez por você nunca ter ouvido o nome de Tyndale, colocamos aqui esta postagem.
"Enquanto Lutero abria ao povo da Alemanha a Bíblia, que até então estivera fechada, Tyndale era impelido pelo Espírito de Deus a fazer o mesmo pela Inglaterra. A Bíblia de Wycliffe fora traduzida do texto latino, que continha muitos erros. Nunca havia sido impressa, e tão elevado era o custo dos exemplares manuscritos, que, a não ser homens ricos ou nobres, poucos poderiam adquiri-los; demais, sendo estritamente proscrita pela igreja, tivera divulgação relativamente acanhada. Em 1516, um ano antes do aparecimento das teses de Lutero, Erasmo publicara sua versão grega e latina do Novo Testamento. Agora, pela primeira vez, a Palavra de Deus era impressa na língua original. Nesta obra muitos erros das versões anteriores foram corrigidos, dando-se mais clareza ao sentido. Levou muitos dentre as classes cultas a melhor conhecimento da verdade, e deu novo impulso à obra da Reforma. Mas o povo comum ainda estava, em grande parte, privado da Palavra de Deus. Tyndale deveria completar a obra de Wycliffe, dando a Bíblia a seus compatriotas.
Como estudante diligente e ardoroso investigador da verdade, recebeu o evangelho do Testamento grego de Erasmo. Destemidamente pregou suas convicções, insistindo em que toda a doutrina fosse provada pelas Escrituras. À pretensão católica de que a igreja dera a Bíblia, e de que somente ela a poderia explicar, respondeu Tyndale: "Sabeis quem ensinou as águias a encontrar a presa? Pois bem, esse mesmo Deus ensina Seus filhos famintos a encontrar o Pai em Sua Palavra. Longe de nos haverdes dado as Escrituras, sois vós que a tendes escondido de nós; sois vós que queimais os que as ensinam e, se pudésseis, queimaríeis as Escrituras mesmas." - D'Aubigné.
A pregação de Tyndale despertou grande interesse; muitos aceitaram a verdade. Mas os padres estavam alerta, e mal ele deixara o campo, esforçaram-se por destruir-lhe a obra por meio de ameaças e difamações. Muitas vezes eram bem-sucedidos nisso. "Que se deve fazer?" exclamava ele. "Enquanto semeio num lugar, o inimigo devasta o campo que acabo de deixar. Não posso estar em toda parte. Oh! se os cristãos possuíssem as Escrituras Sagradas em sua própria língua, poderiam por si mesmos resistir a esses sofismas. Sem a Bíblia é impossível firmar o leigo na verdade." - D'Aubigné.
Novo propósito toma então posse de seu espírito. "Era na língua de Israel", disse ele, "que se cantavam os salmos no templo de Jeová; e não falará o evangelho a língua da Inglaterra entre nós? ... Deve a igreja ter menos luz ao meio-dia do que à aurora? Os cristãos devem ler o Novo Testamento em sua língua materna." Os doutores e ensinadores da igreja discordavam entre si. Apenas pela Bíblia poderiam os homens chegar à verdade. "Um adota este doutor, outro aquele. ... Ora, cada um destes autores contradiz o outro. Como, pois, podemos nós distinguir quem fala certo de quem fala errado? ... Como? ... Em verdade pela Palavra de Deus." - D'Aubigné.

O que o Cristão de hoje precisa saber sobre o Novo Testamento em Grego?

Trinitarian Bible Society
Nos últimos anos tem havido muita confusão a respeito das modernas traduções e edições do Novo Testamento em grego. Algumas pessoas fazem reivindicações sobre o Novo Testamento em grego, sem terem informações suficientes que as apoiem. Muitos têm a pretensão de que suas traduções são exatas porque tais versões se baseiam nos melhores textos gregos disponíveis. Alguns supõem que suas traduções são melhores que a Versão Autorizada porque esta e seu subjacente Textus Receptus grego acrescentam variantes e leituras extras ao texto. Outros, entretanto, reivindicam que o texto grego do Novo Testamento não é importante porque sua tradução favorita é melhor que qualquer texto grego.
Há, ainda, outros que afirmam que o texto grego não é importante porque a maioria das pessoas não pode ler o grego da época do Novo Testamento. Entretanto, o texto grego sobre o qual uma tradução se baseia terá um impacto tanto sobre a leitura devocional das Escrituras pelo cristão como sobre a proclamação da Palavra de Deus no testemunho da graça salvadora de Jesus Cristo. É necessário que o cristão da atualidade entenda a importância do texto grego tradicional na vida cristã.
O texto tradicional
Antes de tudo, é necessário entender que se quer dizer com o termo “texto tradicional”. Durante o primeiro século após a ressurreição de Cristo, Deus moveu homens que escrevessem Sua Palavra (2 Pedro 1.21). O resultado foi um conjunto de cartas e livros, escritos em grego koine (chamados de “autógrafos originais”). Essas cartas e esses livros foram copiados e recopiados através dos séculos e distribuídos por todo o mundo. Essas cópias consistem os manuscritos do Novo Testamento. Mais de 5.000 desses manuscritos
gregos sobreviveram até os dias atuais. O grande número desses manuscritos apóia a chamada tradição textual bizantina (bizantina porque veio do mundo falante do grego da época). Esses manuscritos bizantinos formaram o que chamamos de texto tradicional do Novo Testamento. A representação mais bem impressa desse texto-tipo bizantino é o Textus Receptus (ou texto recebido). Em acréscimo aos manuscritos, também temos à disposição muitas obras nas quais numerosos Pais da Igreja fizeram citações dos manuscritos. A obra de John Burgon estabeleceu que o texto básico usado por muitos Pais da Igreja é o mesmo texto que hoje conhecemos como texto bizantino.
O Textus Receptus foi compilado a partir de uma quantidade de manuscritos bizantinos por vários editores do início do século XVI. Houve edições de editores tais como Erasmo, Stephens, Beza, dos Elzevires, Mill e Scrivener. Essas edições diferem sutilmente umas das outras, mas ainda assim referem-se ao mesmo texto básico. Alguns editores foram populares em diferentes países e geraram as bases para as traduções do Novo Testamento.
O Textus Receptus (como mais tarde ficou conhecido) foi o texto usado por Tyndale e por outros tradutores da Versão Autorizada inglesa (King James), de 1611 e outras traduções reformadas.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Evangelismo

Algumas Famílias Só São Encontradas Dentro dos Lares

Famílias há que não se poderão alcançar com a verdade da Palavra de Deus, a menos que Seus servos entrem nos respectivos lares e, por zeloso ministério, santificados pelo endosso do Espírito Santo, derribem as barreiras. Ao ver o povo que esses obreiros são mensageiros de misericórdia, os ministros da graça, dispõem-se a ouvir as palavras que proferem. ...
Quando obreiros assim oram a Deus nas famílias que visitam, o coração dos membros dessa família é tocado como não seria por orações feitas em uma reunião pública. Anjos de Deus penetram com ele no círculo da família; e a mente dos ouvintes fica preparada para receber a Palavra de Deus: pois se o mensageiro é humilde e contrito, se mantém viva comunhão com Deus, o Espírito Santo toma a Palavra, e mostra-a àqueles por quem ele está trabalhando.

O Senhor deseja que a verdade se aproxime bem do povo, o que só pode ser feito pelo trabalho pessoal. Muito se acha compreendido na ordem: "Sai pelos caminhos e atalhos e força-os a entrar, para que a Minha casa se encha." Luc. 14:23. Há a fazer nesse sentido uma obra que ainda não se fez. Ensinem os obreiros de Deus a verdade nas famílias, aproximando-se bem daqueles por quem trabalham. Caso eles assim cooperem com Deus, Ele os revestirá de poder espiritual. Cristo os guiará em seu trabalho, entrando nas casas do povo juntamente com eles, e dando-lhes palavras que penetrarão profundamente no coração dos ouvintes. O Espírito Santo abrirá corações e mentes para receberem os raios vindos da fonte de toda luz.

A todos quantos estão trabalhando com Cristo, desejo dizer: Sempre que vos for possível ter acesso ao povo em seu lar, aproveitai a oportunidade. Tomai a Bíblia, e exponde-lhes as grandes verdades da mesma.

Vosso êxito não dependerá tanto de vosso saber e realizações, como de vossa habilidade em chegar ao coração das pessoas. Sendo sociáveis e aproximando-vos bem do povo, podereis mudar-lhes a direção dos pensamentos muito mais facilmente do que pelos mais bem feitos discursos. A apresentação de Cristo em família, e em pequenas reuniões em casas particulares, é muitas vezes mais bem-sucedida em atrair almas para Jesus, do que sermões feitos ao ar livre, às multidões em movimento, ou mesmo em salões e igrejas.

Todos quantos se empenham nesse trabalho pessoal, devem ser tão cuidadosos de não agir mecanicamente, como os próprios ministros que pregam a Palavra. Devem aprender continuamente. Possuir zelo consciencioso em adquirir as mais elevadas qualidades, em tornar-se homens eficientes nas Escrituras. Devem cultivar hábitos de atividade mental, entregando-se especialmente à oração e ao estudo diligente das Escrituras. 


Inserido por: Alexandre R. de Souza

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O Milênio e a Situação dos Ímpios e Justos Durante Este Período

Por: Anselmo Goldman - Fonte: http://adonayechad.forumeiros.com/t140p45-o-milenio-sera-na-terra-ou-nos-ceus#1668

A qualquer momento Yeshua aparecerá nos Céus e todos verão Sua vinda: (Mateus 24:30) "Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; e todas as tribos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. "

Com Sua chegada os mortos que morreram em HaMashiach ressuscitarão: (1 Tessalonicenses 4:16) "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de YHWH; e os que morreram em HaMashiach ressuscitarão primeiro"

No mesmo instante os justos vivos serão transformados a semelhança dos ressurretos e todos os salvos serão arrebatados aos Céus para o encontro com o Senhor: (1 Tessalonicenses 4:17) "depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. "

Os ímpios mortos porém continuarão mortos em suas sepulturas: (Apocalipse 20:5) "Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição."

E os injustos que estiverem vivos na vinda de Yeshua, todos sem exceção serão mortos e destruídos com o resplendor da glória de Yeshua quando aparecer: (Salmos 50:3) "Virá o nosso YHWH e não se calará; adiante dele um fogo irá consumindo, e haverá grande tormenta ao redor dele."

Todos os que se recusaram a ouvir o Evangelho que foi pregado em testemunho a todas as gentes para que viesse o fim, serão aniquilados na vinda de Yeshua: (2 Tessalonicenses 1:7) "e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Yeshua desde o céu, com os anjos do seu poder, "(2 Tessalonicenses 1: "como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a YHWH e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Yeshua HaMashiach; "(2 Tessalonicenses 1:9) "os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder, "(2 Tessalonicenses 1:10) "quando vier para ser glorificado nos seus santos e para se fazer admirável, naquele Dia, em todos os que crêem ( porquanto o nosso testemunho foi crido entre vós ). "

Na ressurreição dos mortos justos e na vinda de Yeshua iniciam-se os Mil Anos. A Terra é transtornada e passa pelo fogo, onde todos os elementos se fundirão: (2 Pedro 3:10) "Mas o Dia do Senhor virá como o ladrão de noite, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão. "

Satanás será preso na vinda de Yeshua e ficará preso por Mil Anos. No final destes 1000 anos será solto novamente: (Apocalipse 20:2) "Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. "(Apocalipse 20:3) "E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que mais não engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo. "

Durante estes Mil anos os santos estarão no Céu Vivendo e reinando por Mil Anos: (João 14:3) "E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vós também. " - (Apocalipse 20:4) "... viveram e reinaram com HaMashiach durante mil anos. "
A Terra estará desolada, destruída e acabada. Ela voltará em parte, ao estado inicial de Gênesis "sem forma e vazia" e justamente esta é a prisão de Satanás. Não com cordas ou algemas literais mas sua prisão será o planeta desolado por mil anos e aqui estará ele durante todo este período.

Depois que acabarem os mil anos, os ímpios ressuscitam: (Apocalipse 20:5) "Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. "

Justamente nisso consiste a soltura de Satanás... ele terá novamente quem enganar e induzir ao erro: (Apocalipse 20:7) "E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão "(Apocalipse 20: "e sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. "

Ao fim dos mil anos somente é que Yeshua coloca seus pés sobre o monte das Oliveiras e o monte se fende. Então desce do Céu a Nova Jerusalém: (Apocalipse 21:2) "E eu, João, vi a Santa Cidade, a nova Jerusalém, que de YHWH descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. " - (Apocalipse 3:12) "A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu YHWH, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu YHWH e o nome da cidade do meu YHWH, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu YHWH, e também o meu novo nome. "

Então Satanás convoca os ímpios de todas as eras desde Caim até o último que não se salvará, para tomarem a Cidade Santa: (Apocalipse 20:9) "E subiram sobre a largura da terra e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; mas desceu fogo do céu e os devorou. "
Assim a Terra toda será renovada; os ímpios finalmente varridos do Planeta; o pecador e o pecado não mais existirão e então...

Então As lágrimas de dor, a morte, a desgraça do gênero humano não terá mais lugar nas vidas dos santos.
O Senhor Habitará conosco e estaremos para sempre com Yeshua.
E Finalmente todas as promessas se cumprirão, e todos os povos virão se apresentar diante do único YHWH pois neste dia o Senhor será um e o Seu Nome Um.

Esta é a verdade sobre o Milênio e o destino dos santos e dos ímpios!
(Isaías 8:20) "À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva. "

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

A Inspiração da Bíblia Sagrada

Por: Alexandre R. de Souza
As Escrituras Sagradas, o Antigo e o Novo Testamentos, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo.
NestaPalavra, Deus transmitiu ao homem o conhecimento necessário para a salvação.
As Escrituras Sagradas são a infalível revelação de Sua vontade. Constituem o padrão de caráter, a prova da experiência, o autorizado revelador de doutrinas e o registro fidedigno dos atos de Deus na História.

O pecado limita a auto-revelação de Deus manifestada através da criação, pelo fato de obscurecer a habilidade humana em interpretar o testemunho de Deus. Portanto, tendo em vista auxiliar os indivíduos na compreensão das coisas divinas, Deus apresentou uma “revelação especial” de Si próprio. Ele decidiu apresentar-Se diante da humanidade por um meio específico, o qual não deixaria margem a questões no
tocante a Seu caráter ou Seu amor pela humanidade – e Deus o fez através das Escrituras do Antigo e do Novo Testamentos.
No princípio a Sua revelação veio através dos profetas; depois ela foi transmitida por intermédio de Sua revelação última, a pessoa de Jesus Cristo (Heb. 1:1 e 2).
Na Bíblia, Deus Se revela a Si próprio em pessoa, bem como por meio de proposições que declaram a verdade a Seu respeito. Ambos os tipos de revelação se fazem necessários por que as pessoas necessitam conhecer Deus através de Jesus (João 17:3), bem como a verdade “segundo é... em Jesus” (Efés. 4:21). Essas revelações permitem que Deus quebre as limitações mentais, morais e espirituais dos seres humanos e comunique Seu desejo de salvá-los.

A autoridade da Bíblia como regra de fé e prática decorre de sua origem. Os escritores bíblicos viam as Escrituras como situando-se numa categoria única, distinta e separada de toda a literatura restante. Eles se referiram à Bíblia como as “Sagradas Escrituras” (Rom. 1:2), “sagradas letras” (II Tim. 3:15) e os “oráculos
de Deus” (Rom. 3:2; Heb. 5:12).
A singularidade das Escrituras baseia-se em sua origem e fonte. Os autores bíblicos destacaram  freqüentemente o fato de que não eram os originadores de suas mensagens. Eles as recebiam das fontes divinas. Através da revelação divina, eles haviam sido habilitados a “ver” estas verdades (Isa. 1:1; Amós 1:1; Miq. 1:1; Hab. 1:1; Jer. 38:21).
Os escritores bíblicos indicaram o Espírito Santo como sendo a fonte de suas revelações. Ele Se comunicava com o povo através dos profetas (Nee. 9:30; cf. Zac. 7:12). Davi declarou: “O Espírito do Senhor fala por meu intermédio, e a Sua palavra está na minha língua” (II Sam. 23:2). Ezequiel escreveu: “Então, entrou
em mim o Espírito”, “caiu, pois, sobre mim o Espírito do Senhor”, “depois, o Espírito de Deus me levantou” (Ezeq. 2:2; 11:5 e 24). E Miquéias testificou: “Eu, porém, estou cheio do poder do Espírito do Senhor” (Miq. 3:8).

Os autores do Novo Testamento reconheceram o Espírito Santo como o autor de suas mensagens. Paulo se refere a Ele como a fonte da revelação que recebeu, dizendo: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé” (I Tim. 4:1). João inicia o relato de sua visão dizendo: “Acheime em Espírito, no dia do Senhor”(Apoc. 1:10). E a comissão de Jesus a Seus apóstolos, veio-lhes através do agenciamento do Espírito Santo (Atos 1:2; Efés. 3:3-5).
O abundante testemunho bíblico afirma que Deus, na pessoa do Espírito Santo, revelou-Se a Si mesmo ao longo das Sagradas Escrituras. Ele as escreveu, não com Sua própria mão, mas com o auxílio das mãos de outros – cerca de quarenta pares – ao longo de um período de mais de 1.500 anos. E, no sentido de que Ele inspirou os escritores, Deus é o Autor da Bíblia.


Existe uma exceção: os Dez Mandamentos. Estes são de composição divina, não humana. Foram pronunciados pelo próprio Deus e escritos por Sua própria mão (Êxo. 20:1-17; 31:18; Deut. 10:4 e 5). Mesmo assim, foram expressos tendo em vista as limitações da linguagem humana.
A Maior prova da Inspiração e Origem Divina das Escrituras está na transformação de vidas. Aquele que outrora roubava se viu constrangido pelo sacrifício de um "Desconhecido" a não mais furtar.
Homens vis e desgraçados, cuja existência parecia ser apenas para causar sofrimento e dor a si mesmo e aos que estavam em sua volta, agora dedicam-se a levar paz e conforto ao seus semelhantes em nome do Deus que os libertou da maldade e desespero.

A hipocrisia e falsidade daqueles que alegam seguir o Deus Criador, não justificará aqueles que desdenharam as Escrituras por causa destes.
Jesus não admitiu que justificassem seus erros com base no erro dos outros mas aconselhava a todo aquele que o ouvia: "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam. " (João 5:39).
Examinemos, estudemos e encontraremos na Bíblia aquele que garantiu: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. " (João 8:32).

Ouça o Estudo "O Livro que Revela Tudo" (01/18) da Série o Grande Conflito com Pr. Luíz Gonçalves:

Faça Download desta Lição em áudio: CLIQUE AQUI
Faça Download desta Lição em .Pdf: CLIQUE AQUI

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Como a Imortalidade da Alma Entrou no Judaísmo? ...

Alguns podem considerar a Wikipédia vulgar demais para ser aceita como fonte. Isto motivou esta nova Postagem
Morte, Alma e Ressurreição
31 Uma das crenças básicas do moderno judaísmo é a de que o homem tem uma alma imortal que sobrevive à morte do corpo. Mas, origina-se isto da Bíblia? A Enciclopédia Judaica (em inglês) admite francamente: “Foi provavelmente sob a influência grega que a doutrina da imortalidade da alma se introduziu no judaísmo.” Mas isso criou um dilema doutrinal, conforme a mesma fonte declara: “Basicamente, as duas crenças, a ressurreição e a imortalidade da alma, são contraditórias. A primeira se refere a uma ressurreição coletiva no fim dos dias, i.e., que os mortos que dormem na terra se levantarão da sepultura, ao passo que a outra se refere ao estado da alma após a morte do corpo.” Como foi resolvido esse dilema na teologia judaica? “Sustentava-se que quando o indivíduo morria a sua alma ainda vivia em outro domínio (isto fez surgir todas as crenças a respeito de céu e inferno), ao passo que o seu corpo jazia na sepultura para esperar a ressurreição física de todos os mortos aqui na terra.”
32 O professor universitário Arthur Hertzberg escreve: “Na própria Bíblia [hebraica] a arena da vida do homem é este mundo. Não existe doutrina de céu e inferno, apenas um crescente conceito de uma derradeira ressurreição dos mortos no fim dos dias.” Trata-se de uma simples e correta explicação do conceito bíblico, a saber, que “os mortos nada sabem . . . Pois não existe ação, nem raciocínio, nem aprendizagem, nem sabedoria no Seol [sepultura comum da humanidade], para onde tu vais”. — Eclesiastes 9:5, 10; Daniel 12:1, 2; Isaías 26:19.
33 Segundo a Enciclopédia Judaica, “no período rabínico, a doutrina da ressurreição dos mortos é considerada uma das doutrinas centrais do judaísmo” e “deve ser distinguida da crença na . . . imortalidade da alma”. Hoje, contudo, ao passo que a imortalidade da alma é aceita por todas as facções do judaísmo, a ressurreição dos mortos não é.
34 Em contraste com a Bíblia, o Talmude, influenciado pelo helenismo, está repleto de explanações e histórias e até mesmo de descrições da alma imortal. Posterior literatura mística judaica, a Cabala, vai ao ponto de ensinar a reencarnação (transmigração de almas), que é basicamente um antigo ensinamento hindu. (Veja Capítulo 5.) Atualmente, em Israel, isto é amplamente aceito como ensinamento judaico, e desempenha também um importante papel na crença e na literatura hassídica. Por exemplo, Martin Buber inclui em seu livro Histórias dos Hassidins  Os Mestres Posteriores (em inglês) uma história a respeito da alma, da escola de Elimeleque, um rabino de Lizhensk: “No Dia de Expiação, quando o rabino Abraão Yehoshua recitava o Avodá, a oração que reproduz o serviço do sumo sacerdote no Templo de Jerusalém, e chegava ao trecho: ‘E assim ele falou’, ele jamais dizia essas palavras, mas sim: ‘E assim eu falei.’ Pois ele não se esquecera do tempo em que a sua alma estava no corpo de um sumo sacerdote em Jerusalém.”
35 O judaísmo Reformista tem ido ao ponto de rejeitar a crença na ressurreição. Tendo removido essa palavra dos livros de oração reformistas, reconhece apenas a crença na alma imortal. Quão mais claro é o conceito bíblico, conforme expresso em Gênesis 2:7: “O SENHOR Deus formou o homem do pó do solo, e soprou em suas narinas o fôlego de vida; e o homem tornou-se uma alma vivente.” (JP) A combinação do corpo e do espírito, ou força de vida, constitui “uma alma vivente”. (Gênesis 2:7; 7:22; Salmo 146:4) Inversamente, quando o humano pecador morre, a alma morre. (Ezequiel 18:4, 20) Assim, ao morrer, o homem cessa de ter qualquer existência consciente. A sua força de vida retorna a Deus que a deu. (Eclesiastes 3:19; 9:5, 10; 12:7) A esperança realmente bíblica para os mortos é a ressurreição — hebraico: tehhi·yáth ham·me·thím, ou “revivificação dos mortos”.
36 Ao passo que essa conclusão talvez surpreenda até mesmo muitos judeus, a ressurreição tem sido a esperança real de adoradores do verdadeiro Deus por milhares de anos. Uns 3.500 anos atrás, o fiel e sofredor Jó falou de um tempo futuro em que Deus o levantaria do Seol, ou sepultura. (Jó 14:14, 15) O profeta Daniel também recebeu a garantia de que seria levantado “no fim dos dias”. — Daniel 12:2, 12 (13,  JP; NM).
37 Não há base nas Escrituras para se dizer que aqueles fiéis hebreus criam ter uma alma imortal que sobreviveria para um outro mundo. Eles claramente tinham suficientes motivos para crer que o Soberano Senhor, que conta e controla as estrelas do universo, lembrar-se-ia também deles na época da ressurreição. Haviam sido fiéis para com Ele e Seu nome. Ele lhes seria fiel. — Salmo 18:26 (25, NM);  147:4; Isaías 25:7, 8; 40:25, 26.

Como a Imortalidade da Alma Entrou no Judaísmo?

Segundo este ponto de vista, a morte é considerada como a passagem da alma para a vida eterna, no domínio espiritual.
A grande maioria das religiões, cristãs e não-cristãs, concorda em linhas gerais com esta definição. O conceito de uma alma imortal é muito antigo. De facto, as suas raízes remontam ao princípio da história humana.

Fonte: Wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Alma
É muito antigo mesmo... foi concebido no Éden pela boca da serpente!

Dêem uma olhada nesta continuação... Meditem já que as Escrituras não estão mais velendo de nada aqui:
"Os termos das línguas originais (hebraico: né·fesh; grego: psy·khé), segundo usados nas Escrituras, mostram que a “alma” é a pessoa, o animal ou a vida que a pessoa ou o animal usufrui.
‘Nefesh’ é a própria pessoa, sua necessidade de alimento, o próprio sangue nas suas veias, seu ser.” — The New York Times, 12 de outubro de 1962.
A dificuldade reside em que os significados popularmente atribuídos à palavra portuguesa “alma” provêm primariamente, não das Escrituras Hebraicas ou das Gregas Cristãs, mas da antiga filosofia grega, na realidade, do pensamento religioso pagão. "

Fonte: Idem

No judaísmo... este esterco doutrinário veio tarde. Vejamos o que diz a Enciclopédia Judaica:
"Segundo a Enciclopédia Judaica, "a crença na imortalidade da alma chegou aos judeus através do contacto com o pensamento grego e principalmente através da filosofia de Platão (427-347 a.C.), seu principal expoente". A partir de meados do 2.° Século d.C., os primitivos filósofos cristãos adoptaram o conceito grego da imortalidade da alma." Ou seja... este esterco entrou na Igreja 200 anos depois de haMashiach!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A Ceia do SENHOR e a Páscoa

"O Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o Meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de Mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no Meu sangue; fazei isto todas as vezes que beberdes, em memória de Mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha." I Cor. 11:23-26.

Cristo Se achava no ponto de transição entre dois sistemas e suas duas grandes festas. Ele, o imaculado Cordeiro de Deus, estava para Se apresentar como oferta pelo pecado, e queria assim levar a termo o sistema de símbolos e cerimônias que por quatro mil anos apontara à Sua morte. Ao comer a páscoa com Seus discípulos, instituiu em seu lugar o serviço que havia de comemorar Seu grande sacrifício. Passaria para sempre a festa nacional dos judeus.
O serviço que Cristo estabeleceu devia ser observado por Seus seguidores em todas as terras e por todos os séculos.
A páscoa fora instituída para comemorar a libertação de Israel da servidão egípcia. Deus ordenara que, de ano em ano, quando os filhos perguntassem a significação desta ordenança, a história desse acontecimento fosse repetida. Assim o maravilhoso livramento se conservaria vivo na memória de todos. A ordenança da ceia do Senhor foi dada para comemorar a grande libertação operada em resultado da morte de Cristo. Até que Ele venha a segunda vez em poder e glória, há de ser celebrada esta ordenança. É o meio pelo qual Sua grande obra em nosso favor deve ser conservada viva em nossa memória.

Ao tempo de sua libertação do Egito, os filhos de Israel comeram a ceia pascoal de pé, lombos cingidos, e com o cajado na mão, prontos para a viagem. A maneira em que celebraram essa ordenança estava em harmonia com sua condição; pois estavam para ser mandados sair da terra do Egito, e deviam começar uma penosa e difícil jornada através do deserto. Ao tempo de Cristo, porém o estado de coisas havia mudado. Não estavam agora para ser mandados sair de um país estrangeiro, mas eram habitantes de sua própria pátria. Em harmonia com o descanso que lhes fora dado, o povo tomava então parte na ceia pascoal em posição reclinada. Colocavam-se leitos ou divãs ao redor da mesa, e os convivas, reclinados neles, descansando no braço esquerdo, tinham livre a mão direita para servir-se. Nesta posição, um comensal podia reclinar a cabeça no peito do outro que lhe ficava imediato. E os pés, saindo da extremidade do leito, podiam ser lavados por alguém que passasse pelo lado exterior do círculo.

Cristo está ainda à mesa em que fora posta a ceia pascoal. Acham-se diante dEle os pães asmos usados no período da páscoa. O vinho pascoal, livre de fermento, está sobre a mesa. Estes emblemas Cristo emprega para representar Seu próprio irrepreensível sacrifício. Coisa alguma corrompida por fermentação, símbolo do pecado e da morte, podia representar "o Cordeiro imaculado e incontaminado". I Ped. 1:19.
"E quando comiam, Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o Meu corpo. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o Meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de Meu Pai." Mat. 26:26-29.

Participando com os discípulos do pão e do vinho, Cristo Se empenhou para com eles, como seu Redentor. Confiou-lhes o novo concerto, pelo qual todos os que O recebem se tornam filhos de Deus, e co-herdeiros de Cristo. Por esse concerto pertencia-lhes toda bênção que o Céu podia conceder para esta vida e a futura. Esse ato de concerto devia ser ratificado com o sangue de Cristo. E a ministração do sacramento havia de conservar diante dos discípulos o infinito sacrifício feito por cada um deles individualmente, como parte do grande todo da caída humanidade.

Mas o momento da comunhão não deve ser um período de tristeza. Não é esse o seu desígnio. Ao reunirem-se os discípulos do Senhor em torno de Sua mesa, não devem lembrar e lamentar suas deficiências. Não se devem demorar em sua passada vida religiosa, seja ela de molde a elevar ou a deprimir. Não tragam à memória as diferenças existentes entre si e seus irmãos. A cerimônia preparatória abrangeu tudo isso. O exame próprio, a confissão do pecado, a reconciliação dos desentendimentos, tudo já foi feito. Agora, chegam para se encontrar com Cristo. Não devem permanecer à sombra da cruz, mas à sua luz salvadora. Abram a alma aos brilhantes raios do Sol da Justiça. Corações limpos pelo preciosíssimo sangue de Cristo, na plena consciência de Sua presença, se bem que invisível, devem-Lhe ouvir as palavras: "Deixo-vos a paz, a Minha paz vos dou: não vo-la dou como o mundo a dá." João 14:27.
Nosso Senhor diz: Sob a convicção do pecado, lembrai-vos de que morri por vós. Quando opressos, perseguidos e aflitos, por Minha causa e a do evangelho, lembrai-vos de Meu amor, tão grande que por vós dei a Minha vida. Quando vossos deveres vos parecem duros e severos, e demasiado pesados os vossos encargos, lembrai-vos de que por amor de vós suportei a cruz, desprezando a vergonha. Quando vosso coração recua ante a dolorosa prova, lembrai-vos de que vosso Redentor vive para interceder por vós.

A santa ceia aponta à segunda vinda de Cristo. Foi destinada a conservar viva essa esperança na mente dos discípulos. Sempre que se reuniam para comemorar Sua morte, contavam como Ele, "tomando o cálice, e dando graças, deu-lhes, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o Meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de Meu Pai". Mat. 26:27-29. Nas tribulações, encontravam conforto na esperança da volta de seu Senhor. Indizivelmente precioso era para eles o pensamento: "Todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha." I Cor. 11:26.

Imortalidade da Alma... É isso mesmo o que a Bíblia Ensina???

Você acredita na imortalidade da alma? Crê como a esmagadora maioria que há um espírito dentro do homem que é imortal e que após a morte do corpo, este espírito continua vivo em algum lugar?
Pois então esta postagem é para você querido irmão!
Não temos intenção de catequizar ninguém mas fazer com que você meça este ensino com a Escritura. Aquela que deve ser a nossa única regra de fé e ensino.
Está disposto? Pois bem... segue abaixo:

Questões Bíblicas para análise:
1) Se a pessoa ao morrer fosse para o céu ou para o inferno, que necessidade haveria de Jesus voltar e nos ressuscitar, se já estivéssemos no céu? (os de Cristo, na sua vinda - I Cor. 15:23). É ilógico Jesus enviar-nos do céu 'em espírito' para a sepultura para depois ter de ressuscitar. Como harmonizar a doutrina da ressurreição com a doutrina imortalista?
2) Como crer que ao morrermos vamos para o céu se em Hebreus 11:39 e 40 os heróis da fé ainda não obtiveram a concretização da promessa, pois Deus não quer que sem nós eles sejam aperfeiçoados? (Lembremos de I Cor. 15:20).
3) Como crer na doutrina da imortalidade da alma sendo que a eternidade do homem era condicional à obediência a Deus, e por desobedecer Adão foi privado da árvore da vida para que não se tornasse imortal como Deus? Nós não comemos da árvore da vida... (Gênesis 3:22-23). Porque iremos comer da árvore da vida no céu se nosso espírito é imortal? (Apocalipse 22:2).
4) Se somos imortais, porque devemos ainda “buscar a imortalidade e a incorruptibilidade”? (Romanos 2:7). Se devemos buscar, é porque não a temos.
5) Porque Jesus diz ser a morte um sono? (João 11:11-14) Porque Jesus disse, após Sua ressurreição, que durante a morte “ainda não tinha subido para o Pai?” (João 20:17).
6) Como harmonizar a doutrina da imortalidade da alma com o texto de Mateus 16:27, no qual diz que “a recompensa será dada quando Jesus voltar”? Se estivessem os mortos no céu ou no inferno, já teriam recebido a recompensa...Tal doutrina (vida após a morte) não se harmoniza com a doutrina do Juízo.
7) Jesus disse em João 11:25: “... Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; (João 11:25 grifo meu); Ele não disse: “... ainda que morra, vive...”. “Ao contrário, Ele declarou, que no futuro trará da sepultura aqueles que morreram nEle. Veja João 5:28 e 29”.

A Bíblia deve ser nossa "vara de medir". Se acaso você conseguir emparelhar o ensino das Escrituras com o Ensino da Imortalidade da Alma respondendo este questionário corretamente, então siga sua crença ensinada a seis mil anos atráz e que persiste hoje. A crença que diz: "Certamente não morrereis" (Gênesis 3:4).
Mas se acaso você perceber que isto é impossível, peça a Deus que te esclareça. De nossa parte, estamos aqui para ajudar.
Deus te abençoe e te guarde! Deus faça Seu rosto resplandecer sobre ti e tenha misericórdia de ti meu irmão e minha irmã!
Amém

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

NOTÍCIAS DE ISRAEL

NOTÍCIAS DE ISRAEL

Ressurreição dos Mortos - Uma Análise de I Coríntios 15

Esta postagem é originalmente parte de uma resposta dada pelo Professor Anselmo Goldman acerca da Imortalidade da alma num fórum judaico (http://www.torahweb.net) (acesse aqui) - Trata-se se uma análise de 1ª Coríntios 15
A Volta de Cristo com TODOS os anjos.
Sinônimo da ressurreição dos mortos
Quer falar de 1 Coríntios 15 irmão?
pois bem...
(1 Coríntios 15:4) "e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, "
Se havia um corpo fantasmagórico como este que você inocentemente crê, para quê Yeshua ressuscitaria em carne? Se será assim (corpo de vapor) para quê ressurreição?????

(1 Coríntios 15:11) "Então, ou seja eu ou sejam eles, assim pregamos, e assim haveis crido. "
Paulo pregava ressurreição! Esquisito se acaso nascemos espiritualmente na morte!!!! Ora irmão... (e ainda falam em analfabetismo funcional).

(1 Coríntios 15:12) "Ora, se se prega que haMashiach ressuscitou dos mortos,como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? "
Esta deve ser a doutrina que você deveria pregar! Não ressurreição!
Os espiritualistas judeus da Igreja pregavam isso, e com propriedade, uma vez que criam numa alma imortal, ou espírito translúcido que saía do corpo na morte!

(1 Coríntios 15:17) "E, se haMashiach não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. "(1 Coríntios 15:18) "E também os que dormiram em haMashiach estão perdidos. "
Como poderiam os que dormiram em haMashiach estar perdidos uma vez que estavam CONSCIENTES (leia-se vivos) em algum lugar? Paulo aqui está tratando da ressurreição e diz: "Se esperamos em haMashiach só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens." pois se não há ressurreição, além de não aproveitar o mundo, ainda não aproveitarão o mundo porvir.

(1 Coríntios 15:20) "Mas, agora, haMashiach ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem. "(1 Coríntios 15:21) "Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. "̀(1 Coríntios 15:22) "Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em haMashiach. "
Primícia dos que dormem... Não tem jeito de fantasiar a verdade de que 
morto, inativo, inconsciente = dormindo; e que vivo, ativo, consciente = acordado!!!
Em haMashiach serão vivificados!!!! Se estão conscientes em algum recanto da galáxia ou do infinito... então já estão vivificados. Justos e injustos. Mas não é isso que a Escritura ensina.
O 13º princípio do escrito por maimônides diz: "Eu creio com fé perfeita que haverá ressurreição dos mortos QUANDO for do agrado do Criador..."
Mas muitos crêem que isto é automático na morte.
Kardec... Francisco Xavier... e outros poderiam crer na imortalidade da alma... aquele que diz crer na Toráh e nos profetas NÃO!
Aliás o próximo verso só confirma esta Não automacidade:

(1 Coríntios 15:23) "Mas cada um por sua ordem: haMashiach, as primícias; depois, os que são de haMashiach, na sua vinda. "
Preciso explicar? Precisamos mostrar que a ressurreição dos mortos se dará na Vinda de Yeshua haMashiach???? Creio que não... talvez sim para os "analfabetos funcionais"

(1 Coríntios 15:26) "Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte. "
Mas já estão aniquilando a morte por aí. Ensinando consciência de mortos e perambulação de falecidos em algum canto longe dos vivos!

(1 Coríntios 15:29) "Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles, então, pelos mortos? "
Paulo não endossa esta prática, mas afirma que até estes confiam na ressurreição prometida! Se os mortos não ressuscitam e eles não crêem nisso, então porque se batizariam??? É o que pergunta Paulo.

(1 Coríntios 15:35) "Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão? "(1 Coríntios 15:36) "Insensato! O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer. "(1 Coríntios 15:37) "E, quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão, como de trigo ou doutra qualquer semente. "(1 Coríntios 15:38) "Mas YHWH dá-lhe o corpo como quer e a cada semente, o seu próprio corpo. "
Aqui começa a confusão que fazem.
Alguns afirmam que Paulo usa a analogia da semente para mostrar a glória do corpo espiritual que nasce no instante da morte. Mas será mesmo que é isto que ele está ensinando???
Paulo nos diz que seremos semelhantes a haMashiach ressurreto! Ora o corpo da ressurreição... é disso que Paulo está falando e não de alma, fantasma, assombração ou encosto!
Paulo usa o termo "CORPO" nestes versos, pois até aqui ele afirmou ensinou e pregou a ressurreição do corpo. Ele continua falando de "CORPO"...

(1 Coríntios 15:42) "Assim também a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo em corrupção, ressuscitará em INCORRUPÇÃO. "(1 Coríntios 15:43) "Semeia-se em ignomínia, ressuscitará em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscitará com vigor. "(1 Coríntios 15:44) "Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo animal, há também corpo espiritual. "
Alguns se apegam ao último verso desta série para ensinar e crer na doutrina Espírita e nos ensinos da Serpente do Éden (é certo que não morrereis).
Alguns alegam que este corpo espiritual é o que sai do corpo material do homem no instante da morte. Paulo por outro lado ensina que este aparecerá SOMENTE na ressurreição dos mortos, na volta de Yeshua. Se alguém aqui quiser mostrar que Paulo está mostrando que sai um corpo espiritual do corpo material... por favor fique à vontade e indique em qual verso de 1 Co 15 ele faz isso. É um favor que eu peço amigos mestres... me mostrem!

(1 Coríntios 15:48) "Qual o terreno, tais são também os terrenos; e, qual o celestial, tais também os celestiais. "(1 Coríntios 15:49) "E, assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial. "
Na ressurreição, na volta de haMashiach. 

(1 Coríntios 15:50) "E, agora, digo isto, irmãos: que carne e sangue não podem herdar o Reino de YHWH, nem a corrupção herda a incorrupção. "
haMashiach ressuscitou como irmão? Em alma? em fumaça? em encosto?...
Em carne! veja só:
(Lucas 24:39) "Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; tocai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. "(Lucas 24:40) "E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés. "
haMashiach ali acabou com qualquer dúvida acerca da ressurreição! Como disse Paulo agora pouco: "Semeia-se o corpo em corrupção, ressuscitará corpo em incorrupção"
Carne e sangue não se salva! é o que Paulo está dizendo. Uma vida incorruptível herdará a salvação este é o ensino do apóstolo, mas uma vida terrena se condenará! Não passaremos para a vida sem uma transformação... assim como Yeshua na Sua ressurreição! É disso mesmo o que Paulo trata nos versos seguintes ao afirmar: "todos seremos transformados". Ele está dizendo com isso que na ressurreição, não teremos o mesmo corpo sujeito a morte, ou a dor, ou a fadiga (Semeia-se em fraqueza, ressuscitará com vigor - Verso 43). Um pouco mais à frente leremos que "convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade"
Mas alguns querem mostrar que seremos almas desencarnadas louvando o SENHOR no céu! FRANNNN - CAAAAA - MENNNN - TE!!!

(1 Coríntios 15:51) "Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados"
Nem todos estarão mortos na volta de haMashiach, mas todos passarão pela transformação que Paulo estava falando! Mais uma vez 
DORMIR = MORRER!!!

(1 Coríntios 15:52) "num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. "(1 Coríntios 15:53) "Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade. "(1 Coríntios 15:54) "E, QUANDO isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então, cumprir-se-á a palavra que está escrita: 
Tragada foi a morte na vitória. "
Percebem irmãos mestres, quando se dará esta bem aventurança???? Ao soar a última trombeta! Na volta de haMashiach!
Alguns (infelizmente a maioria) querem deturpar a verdade da ressurreição, e falar que ela já ocorreu e está ocorrendo a cada um que morre!
A morte tem data marcada para ser vencida meu querido... Na volta de haMashiach.
Até lá não permita que o ensino da Serpente te afaste da Esperança da Igreja... a Esperança que a Igreja tem... A RESSURREIÇÃO!

Quem é que está deturpando e pondo por terra o 1 Coríntios 15?
Faça sua escolha! A Serpente ou a haMashiach?
A Mentira ou o Ensino Puro... não contaminado pelo paganismo???

A Ressurreição!!! A mentira da Serpente põe por terra o Maior acontecimento da história do homem que está por vir! A Volta de haMashiach e a Ressurreição dos mortos.
Se uma alma me sai do corpo e vai louvar o SENHOR, ou vai para um lugar de tormento, ou para um lugar isolado misterioso ... enfim... se eu não morro quando eu morro... então para quê desejarei a ressurreição???

Que o ETERNO nos abençoe.
Amém

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A Maior Contribuição dos Judeus para a Civilização

image

Já disponibilizamos a Lição nº 02 da Série de 40 lições.

Apenas um trecho…:

********************************************************************

Leis Protegiam os Pobres
16. Os estatutos e leis que Deus deu a Israel reconheciam a dignidade do homem, considerando sagrada a vida humana.
Essas leis se destinavam a proteger e ajudar os pobres e desprivilegiados.
Que outra nação já teve uma lei que constrangesse o homem a emprestar aos pobres sem receber juros? Ver Êxodo 22:24.
Que outra nação já teve uma lei que requeresse que o homem amasse o próximo como a si mesmo, proibindo conservar ressentimento contra ele, assim como a malícia, os mexericos e a vingança? Ver Levítico 19:16, 18.
Que outra nação já teve uma lei que concedesse a todo homem um trato de terra, garantindo-a portal modo que mesmo o rei não lho pudesse tomar? Previa que, se ele tivesse que desfazer-se de sua terra, não a podia vender definitivamente, mas podia redimi-la a qualquer tempo que pudesse; e do contrário, no final do período do jubileu seus filhos podiam reclamá-la como sua antiga herança. Ver Levítico 25:23, 25, 10,13; também I Reis 21:1-3.
Que outra nação antiga, excluída da influência da lei de Deus, já teve uma religião que reservasse sagradamente cada sétimo dia da semana para o descanso, proibindo a quem quer que fosse, exigir ou permitir seus servos ou animais efetuarem qualquer trabalho servil, nesse dia? Ver Êxodo
20:8-11.
Em resultado de seu respeito a essa lei, malgrado todos os desencorajamentos e perseguições que têm sofrido, os judeus como um povo mantêm ainda sua existência distintiva. A lei moral de Deus — os Dez Mandamentos — é ainda uma incalculável bênção ao mundo.

**************************************************************************************************************

Manifeste seu interesse em obter este arquivo através do e-mail: emet.verdade@gmail.com e enviaremos para você; ou nos peça o link.

Este estudo enaltece as Escrituras e mostra como os descendentes de Abraão, foram os únicos a revelar o conhecimento do Único Deus Verdadeiro para toda Humanidade!

Perfeito para aqueles que desconhecem a origem e detalhes das Escrituras.

Peça o seu.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts with Thumbnails