"...estenderei a minha mão contra os habitantes desta terra, diz o SENHOR. Porque desde o menor deles até ao maior, cada um se dá à avareza; e desde o profeta até ao sacerdote, cada um usa de falsidade e curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz. Porventura envergonham-se de cometer abominação? Pelo contrário, de maneira nenhuma se envergonham, nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se..." (Jeremias 6.12 a 15)

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Novas Decisões a Serem Tomadas pelos Cristãos em Breve

Por: Fanuel Félix
Copista no Ofício de reproduzir Documento
Tenho percebido uma crescente onda da discussão acerca da Crítica Textual da Bíblia.
Para aqueles que ignoram tal matéria, Crítica Textual é o princípio ou ciência que, através de métodos específicos, determina qual é o texto original de um escrito que passou por muitos processos de cópias e cópias de cópias.
Nossa Bíblia, ou melhor, nossas diversas traduções da Bíblia para o português, são fruto na verdade de apenas dois textos diferenciados, e são o Texto Crítico e o Texto Recebido.
Somente para contarmos algusn exemplos, em português possuímos a João Ferreira de Almeida: Corrigida Fiel, Corrigida, Revista e Corrigida, Revista e Atualizada, na Linguagem Contemporânea.
Entre outras podemos citar a NVI, na Linguagem de Hoje, Bíblia Viva, Bíblia Judaica, Bíblia Hebraica (A.T)... etc.
Nesta infinidade de traduções e versões, a raiz são os textos gregos já citados.
Parece haver uma disputa desproporcional entre a Sociedade Bíblica do Brasil e a Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil,onde esta última é uma das únicas que possui sua versão (Almeida Corrigida Fiel) baseada totalmente no Textus Receptus, já a SBB, que possuía sua versão Revista e Corrigida agora com as alterações referentes ao Textus Críticus.
Os colchetes em vários versos, indicam o texto grego adotado para tal versão não possui o referido verso no manuscrito.
Esta já é uma concorrência antiga, e que poucos cristãos amantes da Bíblia, de fato conhecem que existe.
Se você tiver por exemplo, uma Almeida Revista e Atualizada em mãos, e abri-la em João 7.53, verá que este verso começa com um colchetes. Corra seus olhos no texto para ver onde os colchetes fecham e irá até o final de Jo 8.11. Ou seja, são 12 versos simplesmente que não existem no texto denominado "Os melhores manuscritos" segundo a moderna Crítica textual.
Mas este é apenas um exemplo do que temos em mãos e muitas vezes nem sabemos.
Esta ignorânia talvez, será sanada justamente com a versão audaciosa denominada Bíblia Textual.
Trata-se, até onde percebi através de um impresso promocional com o Evangelho de João, onde os textos que não se encontram no manuscrito adotado, simplesmente não está na versão ou tradução. Quero dizer que nesta Bíblia Textual, quando você for até João 7.53 não encontrará este verso e nem os onze posteriores, pois o texto de João 8 começa justamente no verso 12.
Agora que surge esta versão, creio que a discussão acerca de Texto Crítico e Receptus será inevitável, o que trará, creio eu, ganho para  o Evangelho pois a ignorância pelo menos nesse assunto será diminuída  e os irmãos terão que fazer sua opção.
Assim, vejo que caminhamos para a volta de Jesus, onde assuntos conturbados vem a Baila e assuntos fundamentais serão tratados.
O SENHOR logo vem... Ora vem SENHOR Jesus!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts with Thumbnails